sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Desenvolvimento Sustentável

"A humanidade tem a capacidade de tornar o desenvolvimento sustentável para assegurar que els atenda às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações de atender suas próprias necessidades."

Esta frase consta nos autos da primeira reunião da Comissão Mundial Para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, um grupo idealizado em 1972 na Conferência de Estocolmo sobre o Meio Ambiente Humano, que contou com a participação de 113 países e em 1983 foi reconhecida pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Mas o que vem a ser este tal de Desenvolvimento Sustentável? Creio que o diagrama abaixo possa representá-lo bem, como uma união de três parcelas:

Equidade Social: O desenvolvimento sustentável deve tender a diminuir as diferenças entre as populações. Há quem diga que isto é impossível num sistema capitalista, aonde para um ganhar o outro tem que perder. Mas por trás disto está a consciência. É difícil atingir muita gente com este discurso de que é necessário consciência, mas em outro texto eu entro neste aspecto de análise.
Preservação Ambiental: Humanos inteligentes e desenvolvidos como somos, capazes de domar os animais e as leis da física, temos que ter astúcia para perceber que somos fracos diante da força da natureza, e que com ela não devemos competir, mas viver em harmonia. Lembram daquela terceira lei da mecânica newtoniana? Ela diz que toda ação gera uma reação contrária e com mesma intensidade. Lembremo-nos dos danos que causamos à natureza todos os dias... Agora imaginemos quando isso se voltar contra nós. Bem, já está voltando!
Viabilidade Econômica: Para este contexto temos que entender o famoso termo "custo-benefício". Não trata-se apenas do lucro financeiro obtido nas transações comerciais, mas o que está por trás deste lucro. Há utilização de mão de obra em condições sub-humanas?, há distribuição de renda entre os envolvidos?, há estímulo para a sociedade circunvizinha se desenvolver em parceria com este processo?, estas são perguntas que devem ser feitas para analisar a real viabilidade econômica de um determinado processo.

Numa destas Reuniões Globais para o Meio Ambiente chegou-se a uma equação que seria capaz de descrever o impacto ambiental numa previsão futura. Esta equação é descrita da seguinte forma:

Para analisar a drasticidade da situação, utilizando esta equação, façamos uma previsão para os próximos 50 anos.
Mas o que eu quero dizer com a imagem acima? Como planejado, imaginemos os próximos 50 anos... Hoje, 2008, temos uma vizinhança de 6,5 bilhões de pessoas. Daqui a meio século, segundo as previsões da ONU, este número deve se aproximar de 9,5 bilhões, ou seja, aproximadamente 1,5 vezes a população atual. Pensando nas previsões mais radicais, consideremos este valor como sendo 12 bilhões, de forma que a população do planeta venha a dobrar neste período.

Mas tenhamos em mente que o impacto ambiental não se dá pela existência do indivíduo, mas pela existência do indivíduo econômico. Este indivíduo é o consumidor dos recursos naturais, e é neste "estado de espírito" que está o problema.

Enquanto países como o Brasil tem uma renda per capita próxima dos U$6.000,00, os estadunidenses e a Europa ocidental tem em média U$30.000,00 por cabeça/ano. Há muita miséria espalhada no mundo... Por exemplo, na China a renda per capita não ultrapassa os U$1.000,00,e na Índia U$600,00. Estes países representam mais de 30% da população mundial. O que se pode observar destes dados?

Pensemos em nós brasileiros, nossa vida, nosso cotidiano... É intangível desejar que alguma nação freie seu desenvolvimento econômico pensando no meio ambiente. Estamos em época de eleições municipais, e daqui a 2 anos elegeremos um novo presidente. Tenho certeza absoluta que não elegeríamos alguém que prometesse diminuir a produção de tudo no Brasil para amenizar nossa contribuição para o aquecimento global.

A tendência dos populosos asiáticos, nossa assim como do resto do mundo, é aumentar a distribuição de renda, aumentando assim o poder capitalista dos indivíduos e por tabela o consumo. Minha crítica não é em relação ao consumir, mas ao desperdiçar... mas mantenhamos o foco.

Um outro aspecto a se analisar naquela equação é exatamente este consumo. Assumamos como verdade que na perspectiva traçada, o consumo no planeta aumente em 5 vezes. Levemos em conta que umas economias crescerão mais, umas crescerão menos, algumas enfrentarão recessos e diminuirão um pouco... e na média 5 seja um número bem representativo. Analisemos o caso brasileiro. Em 1998, na gestão do presidente Fernando Henrique Cardoso, o salário mínimo em nosso país era de R$130,00, e hose é de R$415. Para quem recebe salário indexado pelo salário mínimo, o aumento de renda apenas nestes 10 anos foi de mais de 3 vezes. Então tenhamos em mente que embora extravasamos um pouco na análise da população, considerando que esta seria dobrada no prazo especificado, estamos pecando novamente, agora para baixo de forma a normalizar alguns erros de tendência.

Para contornarmos esta situação, em que a população aumenta e o consumo aumenta numa proporção ainda maior, e alcançarmos o desejado grau de nação sustentavelmente desenvolvida é necessária a criação de novas tecnologias de produção e de consumo. Ficando atento àquela equação e à perspectiva para os próximos 50 anos, considerando que a população venha a dobrar e o consumo quintuplicar, o impacto ambiental nesta previsão seria aumentado em 10 vezes. Para corrigir este excesso, só nos cabe agir sobre o impacto ambiental por unidade de produto, e neste contexto surge a expressão FATOR 10, que diz que nós devemos reduzir o consumo para 1/10 do que possuimos hoje, ou seja, em 90%, para que nesta perspectiva futura o impacto ambiental seja o mesmo do atual.

E ai? Esta é uma informação acalentadora ou tranquilizante para você? Isto lhe parece possível ou paupável? Eu sinceramente creio que sim, uma vez que nós, seres humanos, diferente dos demais animais, temos a capacidade de contornar a vontade da natureza de fazer as populações entrarem em colápso para se auto preservarem. Mais ou menos aquele enunciado de Darwin, que diz que os mais aptos sobreviverão. Conosco não pode ser assim, todos temos que sobreviver, fazendo esta história ter um final diferente, mas para isso é necessário a contribuição de todos. Eu me esforço para fazer a minha parte, e tento de alguma forma fazer você que está lendo perceber a necessidade de também fazer a sua.

Mas isto já rende argumentos para outros textos.

Gostaria de agradecer enormemente ao professor Asher Kiperstok pelo seu trabalho e seus ensinamentos, e deixo uma mensagem para reflexão:

"O mundo tem condições de atender às necessidades de todos mas não a voracidade, a gula, de alguns..." Mahatma Gandhi

22 comentários:

Maranganha Abilolado disse...

Rapaz, é um texto tão bom que acabei de indicar a um professor de ciências da escola onde trabalho!

Wander Veroni disse...

Oi, Meireles!

Parabéns pela iniciativa de criar um blog sobre meio ambiente. Acho fantástico esse tema que precisa ser mais difundido na sociedade. E você faz isso com muita clareza e de uma forma muito interessante.

Abraço,

=]

------------------------
http://cafecomnoticias.blogspot.com

Kacau disse...

Realmente é um grande compromisso esse seu blog, um assunto profundo, com amplo debate, isso tudo é um trabalho de formiguinha, e como vc escreveu é a lei da ação e reação e a natureza já esta cobrando sua parte, concientização, ainda bem que é um trabalho difícil mas não impossível, blog admirável, meus parabéns.

Kacau:
http://messnatural.blogspot.com/

Danilo Cruz disse...

seu blog é bem informativo. parabéns

Luclecia disse...

Esta mto bom o seutexto. Parabens pela inciativa. Pára de ser puxa-saco de professor, viu?! Coisa feia! huahauha

Prii Persi disse...

Muito boa a sua iniciativa com o blog. Parabéns.
Agradeço em nomes de muitos. ^^
GRata pelo comentário lá no 'Cultivando'.

Beijos.

Paulo disse...

Li seu texto, bastante interessante. Iniciativa elogiável. Bastante didático. Tenho reservas quanto à sua mensuração de impacto ambiental, todavia, de forma geral, as conclusões são plausíveis ( mais que resultados objetivos, ideais a serem seguidos).

Seria interessante confrontá-lo com algumas análises feitas por José Eli da Veiga (A emergência socioambiental), você encontra vários trabalhos dele no site: www.zeeli.pro.br.

Ele realiza uma boa análise da relação PIB/desenvolvimento e IDH/desenvolvimento. E aponta um acepção mais complexa de "socioambiental" e "sustentável".

Acredito que enriqueceria seu trabalho e talvez o confronto de idéias traga uma evolução dos estudos (tanto do seu, quanto do dele).

Eduardo Meireles disse...

Obrigado a todos pela crítica.
Paulo, vou procurar informações de José Eli como você sugeriu...

marceloclash disse...

Muito bom seu trabalho no blog, parabéns. Obrigado pela visita no meu. Voltarei sempre aqui.


Um abraço.

Visitem meu blog.
http://tchannannan.blogspot.com/

_ds2_minina_ disse...

Cara.... falar de "desenvolvimento sustentável" .... para ser sincera... nem gosto desta palavra..... porque acredito no "DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL" ... Em meu blog (VIVOVERDE.BLOGSPOT.COM) falo perfeitamente o que é ... mas tudo bem .... fou um texto bem redigido ...

PS> Vamos fazer parceria garoto?
Acho que temos os mesmos ideis...s e bem que hoje o poste foi "comédiaaa" ehehehhe >O

parabéns pelo blog e é por este caminho MESMO!

:)

_ds2_minina_ disse...

Ops.... empolguei e falei ERRADO .....


é... "DESEMPENHO AMBIENTAL"


hehe sorry pelo erro


:****

Junior disse...

por isso q gandi falou: há no mundo recursos o suficiente para todas as nescessidades do homen, mas nao para a sua ambiçao...

Augusto disse...

Um blog excelente. muito bom hein!!!

Adorei o texto. Dicas boas de cursos, textos completos. Parabéns!

DuDu Magalhães disse...

Bacana, acredito que deveriam ser matéria obrigatória nas escolas educação ambiental, tem algumas que já são né?

http://minhainspiracao.blogspot.com/

Alexandre disse...

Gostei, Meireles.
Trata com profundidade e acessibilidade. Muito bom!!!

Tb escrevo lá no:

http://criticodostempos.blogspot.com/

Fiquem a vontade pra ler, comentar e opinar!!!

Eduardo Miguel disse...

- Olá Eduardo! ao passar por aqui constato mais um brasileiro a engrosar as fileiras do exercito do bem fazer em direção a um planeta sustentável, equilibrado e mais justo, só precisamos de união nos esforços e um pouco de criatividade para contrabalancear a desvantagem com o corporativo do dinheiro pelo dinheiro, ganância oblíqua e sem sentido e que precisamos reverter!
- Parabéns pela inicitiva, conte com meu apoio e simpatia de causa.

Daniela Lima disse...

Oi Eduardo!! Na verdade, esta postagem do greenpeace está no rascunhoooo, junto com outra q ainda estou escrevendoo... não sei pq está aparecendo... sei lá q aconteceu!!!
Amanhã devo postar um novo artigo!!!
abs

Daiane Santana disse...

Linkei seu BLOG em um Post de DICAS DE SITES E BLOGS ^^

Sicesso

:D

Margareth disse...

Indiscutivelmente...o texto é perfeito.

Speed Boy disse...

Eduardo,

Pude ler Poucas vezes textos tão bem elaborados e elucidativos sobre a questão ambiental. Alguns autores perdem-se em devaneios catastróficos e chegam a planejar o apocalipse como fato inevitável. Você foi pelo caminho que julgo ser o certo, que é o da consientização enquanto cidadão para vivermos em harmonia com o ambiente.

Grande abraço cara !

Sucesso !!!!!

Eduardo Miguel disse...

- Olá Eduardo lí seu comentário e gostaria que quando fosse possível desse uma olhadinha mais completa no fotoblog para poder analiza-lo de forma mais abrangente para que pudessemos trocar algumas informações, eu particularmente tenho muito o lado (prático intuítivo) e em algumas situações é natural surgem dúvidas??? outro local que gostaria que desse uma olhadinha é no http://eduardomiguelpardo.fotoblog.uol.com.br onde pode se completar informaçôes sobre meu trabalho.
- Atualmente no campo ambiental além do trabalho de transformar lixo em arte (ação apaga incêndio) a transforma-lo produzimos o sub resíduo que vai para uma composteira que alimenta um viveiro experimental com mudas nativas e algumas ornamentais (sem impacto)todo este processo está se transformando em palestras, aulas e work shop para tentar quebrar alguns paradigmas muito frustrantes para quem cnhece um pouco os graves problemas ambientais e o que quero atulamente e somar, compartilhar e estruturar um intercâmbio entre todas as boas iniciativas neste sentido para nos aglutinarmos e potencializar mais o conjunto das ações por que as cacas ainda continuam prejudicando demais o planeta por inescrupulosos que se unem em torno de interesse lucros e mais lucros e só.
- Espero que me entenda e que tenha algum interesse nesta cooperação que entendo já está existindo e que aos poucos possamos desenvolve-la cada vêz melhor e com mais qualidade, obrigado pela oportunidade e sucesso, grande abraço.

Nadia disse...

Oi Meireles, parabéns pelo blog. Seu texto é tão bom que estou indicando para minha professora de Ecoturismo. Seu texto é muito claro, parabéns.
abraços.